(1966)

poster

a crítica

(...) um filme mítico, espelho de uma época, de uma vontade de levar o cinema às interrogações mais essenciais, num gesto de liberdade atravessado pelo erotismo, pela morte e por todas as dúvidas sobre a ética com que os outros podem ser olhados.”
Jorge Leitão Ramos, Expresso