(2002)

poster

a crítica

(...) um nítido trabalho de fim de curso (...) TÃO DE REPENTE pretende ser algo sobre a coragem de mudar, mas fica-se muito pela rama e boas intenções.”
António Rodrigues, Diário de Notícias
Com um p&b deslavado e um pouco «arty», TÃO DE REPENTE arranca sem bússola, em jeito de «road-movie» (...) É um filme na corda bamba, com vontade de recomeçar tudo, sem objectivos definidos. Mas cobre o risco.”
Francisco Ferreira, Expresso