(2005)

poster

a crítica

(...) mais do que chover no molhado - isto é, mais do que recuperar uma história mil vezes recuperada para nada lhe acrescentar -, o pecado capital deste filme consiste na forma quase pornográfica como manipula as personagens.”
Vasco Baptista Marques, Expresso