Um Amor em África (2004)

In My Country

poster

Sinopse

Langston Whitfield (Samuel L. Jackson) é um jornalista do Washington Post, enviado à Africa do Sul para cobrir as sessões da Comissão da Verdade e Reconciliação. Ele está apreensivo em relação à viagem, tal como está céptico relativamente ao processo de reconciliação, sentindo que é apenas uma forma de os perpetradores escaparem ao castigo. Anna Malan (Juliette Binoche) é uma poetisa africana que cobre as sessões para a rádio estatal sul africana e NPR nos Estados Unidos. Anna é uma entusiasta do processo, tem um grande respeito pelas tradições africanas nativas e tem grandes esperanças relativamente ao seu país. Como membros da imprenssa internacional, Anna e Langston encontram-se e estão instantaneamente em desacordo relativamente às suas perspectivas opostas das sessões. Mas, com o tempo, a experiência compartilhada de ouvir os testemunhos comoventes e dolorosos aproxima-os cada vez mais.



Visitantes
Visitantes
2.7 (17 votos)
O meu voto
Login / Registo

Detalhes

Ano: 2004
Estreia nacional: 30 de Junho de 2005

País: Reino Unido, Rep. Irlanda, África do Sul
Género: Drama

Realização:
John Boorman

Intérpretes:
Samuel L. Jackson, Juliette Binoche, Brendan Gleeson, Menzi Ngubane, Sam Ngakane

Outros títulos:
Country of My Skull

Links:
www.inmycountrymovie.com (site oficial)
www.apple.com/trailers/sony/in_my_country.html (trailers)
www.imdb.com/title/tt0349260

A crítica

UM AMOR EM ÁFRICA confunde voluntariamente a esfere pública com a esfera privada para, em tempo de adeus, com um final simplista, dizer que tudo foi em vão, o amor, a política.”
Francisco Ferreira, Expresso
Um tema de grande relevância não encontra uma construção ficcional à sua altura (...) Nem drama, nem espanto, nem horror, nem grandeza”
Jorge Leitão Ramos, Expresso

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

2.0/5Filipe Nunes Filipe Nunes 12 de Outubro de 2007 às 19:33

É uma trampa!

Hugo Gomes
Hugo Gomes 23 de Fevereiro de 2007

Prefiro pensar nesta fita como um documentario dramatico, porque como filme é um dos piores do ano e dos mais panflentarios.