A Chave (2005)

poster

a crítica

Softley não é capaz de encontrar chama que ilumine um registo convencional. Não tem nada de fundamentalmente errado, mas também não tem nada de fundamentalmente certo - a perfeita rotina sem sabor nem cheiro.”
Luís Miguel Oliveira, Público