Boa Noite, e Boa Sorte (2005)

poster

novo comentário

Para submeter um comentário faça login ou registe-se

comentários RSS

3.0/5..::Cátia Cruz::.. ..::Cátia Cruz::.. 18 de Setembro de 2011 às 10:04

Uma concisa mas apaixonadíssima lição cívica acerca de um dos episódios jornalísticos mais controversos do passado americano, mas que chega aos nossos dias com a mesma actualidade e relevância política e cultural. Não é um filme para todos os gostos, pelo seu teor histórico e expositivo, mas não deixa de ser interessante e muito consistente. :)

1.0/5Lumos Lumos 18 de Setembro de 2011 às 00:02

discordo josé figueiredo, comecei a ver o filme e desisti a meio, pois o ritmo cansa de tão aborrecido que é, apesar de ter um óptimo tema e as interpretações, o argumento utilizado não foi mesmo o melhor

4.5/5José Figueiredo José Figueiredo 24 de Agosto de 2010 às 03:21

O "ff" tem muita razão - o filme é a p/b, não há corridas, explosões, tiros, gajas boas e com pouca roupa, bandidos, drogados, porrada, e outras coisas que animam os filmes.

1.0/5ff ff 19 de Março de 2009 às 21:09

Nao consegui ver o filme ate ao fim, muito, muito, muito chato

4.0/5Luis Carvalho Luis Carvalho 23 de Novembro de 2008 às 00:07

Uma prefeita reflexão não só sobre uma página negra dos Estados Unidos, como uma demonstração de que a expressão (seja ela televisiva como cinematográfica) pode e deve trazer algo para quem a vê. Um filme bem realizado e superiormente interpretado. Um verdadeiro testemunho contra a "estupidificação", que infelizmente está bem presente nos dias de hoje. O filme a ver e a rever.

3.5/5Valverde Valverde 19 de Novembro de 2008 às 02:35

Boa Noite, e Boa Sorte não é um filme fácil, mas mais dificl é certamente para todos os que engolirem as palavras finais de David Strathairn, que na sua personagem, transmitiu um dos mais preciosos bens da humanidade. A denúncia e o direito da liberdade. Isso faz deste filme uma espécie de Lista de Schindler no meio do continente americano.

4.5/5Vítor Catulo Vítor Catulo 29 de Abril de 2008 às 04:48

Preparava-me para comentar este filme quando os meus olhos caíram, por mero acaso, sobre a parte final do comentário que fez JML. Recuei e iniciei a sua leitura não parando até ao fim, tal a riqueza do conteúdo e a destreza na escrita que o seu autor revela. Estou sem palavras! Quem assim escreve não é apenas uma pessoa culta. É alguém que tem alma!

nvargas
nvargas 6 de Fevereiro de 2007

Vale pela realização, fotografia e interpretações (especialmente de Strathairn) e recriação do espírito da época. Bom filme.

Hugo Gomes
Hugo Gomes 30 de Dezembro de 2006

Good Luck And Good Night é dos trabalhos mais bem realizados deste ano, a sua realização é soberba explorando a veia mais criativa e George Clooney. David Strathair tem a interpretação da sua via. Um filme sério, politicamente incorrente, uma obra-prima do cinema moderno.

Pena que George Clooney não tenha ganho o oscar de melhor realização e o DVD estar a Demorar muito (Foi quase fazer um ano desde este comentario)

Obrigado 4,5 / 5

João Manuel Malainho
João Manuel Malainho 5 de Junho de 2006

Good Night and Good Luck - Há 50 anos como hoje.
"No fim deste discurso, algumas pessoas podem acusar este repórter de desonrar o seu próprio e confortável ninho, e a sua organização pode ser acusada de ter sido hospitaleira a pensamentos heréticos e até perigosos. Mas a complexa estrutura de emissoras, agências publicitárias e patrocinadores não será abalada ou alterada. É meu desejo, se não minha obrigação, tentar falar-vos, trabalhadores experientes, com sinceridade sobre o que está a acontecer com a rádio e a televisão. Não tenho nenhuma dica ou conselho técnico a oferecer àqueles que trabalham nesta área de produção de palavras e imagens. Hão-de me perdoar por não dizer que os instrumentos com os quais trabalham são fantásticos, que a vossa responsabilidade não tem precedentes ou que as vossas aspirações são frequentemente frustradas. Não é necessário lembrar que o facto de as vossas vozes serem amplificadas ao ponto de atingirem de uma costa a outra do país não lhes confere maior sabedoria ou compreensão do que vocês possuíam quando elas alcançavam apenas de um lado a outro de um bar. Vocês sabem tudo isso." - É com este discurso de Edward Murrow, na convenção da Radio-Television News Directors Association em 1958 que se inicia "Boa Noite e Boa Sorte", o segundo filme de George Clooney. Actor que se tornou conhecido na série "ER" – serviço de urgência, onde interpretou ao longo de 5 anos (1994-1999) o pediatra Douglas Ross. A sua ascensão como actor foi tremenda desde 94, a carreira de realizador é ainda curta, mas bastante promissora.
A escolha do tema deste filme não terá surgido por acaso a Clooney, que foi buscar a inspiração ao seu próprio pai, também ele jornalisa televisivo como Edward Murrow, a figura central deste grande filme, interpretada por um brilhante David Straiharn. Trata-se de um verdadeiro hino à liberdade, em tons de documentário sobre a ética e a moral. Preciso e seguro desde o início até ao final – não é longo nem demasiado curto, tem um poder de síntese essencial para o jornalismo. Porque é de jornalismo que trata este filme, muitos anos antes do caso Watergate. Aliás no visionamento de "Boa noite e boa sorte" é inevitável remetermo-nos para "Os homens do presidente" de Alan Pakula onde Robert Redford e Dustin Hoffman dão vida a Bob Woodward e Carl Bernstein – jornalistas que desvendaram o famoso escândalo.
Filmado a preto e branco, num registo de grande contenção, o filme mostra-nos o trabalho da equipa de produção do programa "See it now" da CBS, na sua luta para expor a verdade sobre o senador Joseph McCarthy (que aparece no filme, ele próprio, em registos gravados à data dos acontecimentos retratados no filme) e a sua campanha contra os núcleos comunistas nos EUA. Campanha que ficou conhecida como "caça às bruxas, onde muitos comunistas e não só, se viram denunciados pelo comité do senador, ficando privados do seu trabalho e da sua liberdade, num tempo de frenesim histérico e de um clima de terror constante – Há 50 anos como hoje, a actualidade de tudo o que se passa no filme é tão notável como preocupante.
É impressionante a forma como este filme nos consegue cativar, sem praticamente nunca sair do estúdio de televisão, envolvendo-nos nesse caos controlado, claustrofóbico, desse mundo hermético. As excepções são as idas da equipa ao bar em frente aos estúdios após o trabalho, de madrugada, onde lêem em conjunto o New York Times, e as suas apreciações ao seu trabalho, assim como a análise e evolução aos casos que eles próprios investigam. E também uma rara cena da vida conjugal de Joe e Shirley Wershba (Robert Downey Jr. e Patricia Clarkson) que surge aqui como uma crítica à política das produtoras de então, que impediam o casamento entre profissionais na mesma equipa. Debaixo de toda esta tensão, a libertação emocional fica a cargo da banda sonora, onde o Jazz impera, pontuado com algumas actuações no próprio estúdio, sempre num clima intensamente intimista.
Todo o filme é uma soma de pormenores, ele próprio é um pormenor da história do jornalismo e da televisão, um pormenor que faz a diferença, como só as coisas verdadeiramente importantes podem fazer. Toda a atenção dos planos se centra constantemente na forma como David Strayharn pega no seu cigarro, ou em George Clooney que interpreta ele próprio o produtor Fred Friendly, tocando com a sua caneta na perna de David dando-lhe o sinal de que está no ar. Absolutamente nada é deixado ao acaso. Todo o ambiente carregado de fumo dá um toque único ao filme nesta época em que a América vive traumatizada pela questão tabagista. Dentro dessa perspectiva é inevitável relembrar "O informador" de Michael Mann com Al Pacino e Russel Crowe.
George Clooney pensou inicialmente representar ele próprio Edward Murrow, mas a escolha de David Straiharn não podia ser mais acertada – a sua contenção, a sua expressão desapaixonada aliada aos seus silêncios e sobretudo a sua voz confirmam isso. David não tinha tido no cinema ainda um grande papel, ele que vem do universo da Brodway, mas conquistou assim Hollywood, como se confirma pela sua nomeação para o Óscar de melhor actor. Depois de Syriana, Clooney parece querer afastar-se claramente dos seus papéis de galã, e assumir uma postura ideológica clara, quer como realizador, actor ou argumentista.
O tom sóbrio, o fabuloso elenco, a eloquência dos textos de Murrow e a sua moral, fazem deste filme um dos melhores de 2005. Uma palavra final para o título do filme, que é nem mais nem menos do que a forma como Edward Murrow se despedia sempre dos seus telespectadores. E como despedida nada melhor do que ficarmos com as próprias palavras de Murrow, no mesmo discurso lido no início do filme, pois é desta mesma forma que o filme acaba: "Para aqueles que dizem que as pessoas não assistiriam, (a programas que reflictam sobre as duras e inflexíveis realidades do mundo em que vivemos) que não se interessariam, pois são muito complacentes, indiferentes e alienadas, posso apenas responder: há, na opinião deste repórter, consideráveis provas contrárias a esta argumentação. Mesmo que estejam certos, o que têm a perder? Porque se estiverem certos, e este instrumento for bom apenas para entreter, divertir e alienar, então a televisão já está vacilante e veremos em breve que toda esta luta estará perdida. Este veículo pode ensinar, iluminar; sim, pode até inspirar. Mas só pode fazê-lo se os seres humanos estiverem determinados a usá-lo para estes fins. De outro modo, são meramente cabos e luzes numa caixa. Há uma grande e talvez decisiva batalha a ser travada contra a ignorância, a intolerância e a indiferença. Esta arma, a televisão, poderia ser útil.
Boa noite... e boa sorte.
João Manuel Malainho

http://JoaoManuelMalainho.blogspot.com

Luís Costa
Luís Costa 30 de Maio de 2006

Ora aqui está um filme que deveria ser visto pelos directores televisivos portugueses...
8/10

http://highfidelity.blogs.sapo.pt/

Carlos Varandas
Carlos Varandas 3 de Março de 2006

Uma forma muito original e inteligente de contar a história de Murrow, jornalista da CBS, na contorbada época de perseguição aos comunistas.