(2005)

poster

a crítica

(...) condensa em si grande parte dos principais defeitos e virtudes que nos habituámos a reconhecer no cinema de Manoel de Oliveira”
Vasco Baptista Marques, Expresso
Oliveira renova-se, permanecendo, genialmente, encerrado na sua coerência absoluta.”
Mário Jorge Torres, Público