(2005)

poster

a crítica

John Woo, que encerra CRIANÇAS INVISÍVEIS em alta, nem sempre está bem acompanhado: o projecto é bastante desigual (...) Sobram as boas intenções, que infelizmente são matéria de moral - não de estética.”
João Miguel Tavares, Premiere