(2006)

poster

novo comentário

Para submeter um comentário faça login ou registe-se

comentários RSS

5.0/5Luís Fonseca Luís Fonseca 19 de Dezembro de 2009 às 00:12

e quando ha Clint Mansell na banda sonora tudo se torna mais poetico

5.0/5Luís Fonseca Luís Fonseca 15 de Setembro de 2009 às 18:08

filme fabuloso de um realizador tambem fabuloso. aconselho a todos

4.0/5André Filipe Moreira Santos André Filipe Moreira Santos 3 de Março de 2009 às 00:59

Na minha opinião trata-se de um bom filme, complexo é certo, por isso convém perceber o filme para se gostar dele, sobretudo a sua essência, se bem que ache que é um filme para várias interpretações mas a essência é só uma (a morte como uma nova forma de vida)...

É um filme cheio de simbolismos (Anel que devido à sua forma circular representa a vida como um ciclo, eternidade...) e pormenores e que pormenores, com uma banda sonora muito boa (depois de "A Vida Não é Um Sonho", Clint Mansell volta a fazer um grande trabalho) e uma realização de GRANDE nível!! Aronofsky é mesmo um dos grandes realizadores comtemporâneos..

Deixo aqui a minha interpretação, vamos ver se alguém concorda comigo:

***spoilers***

O filme tá dividido em 3 tempos: passado, presente e futuro em intervalos de 500 anos (1500,2006,2500, podemos concluir isto num poster do filme). A história do passado não é uma realidade, é apenas o que vem escrito no livro de Izzi. A história do presente é aquela em que o cientista tenta a todo o custo salvar a sua mulher da morte tentando descobrir uma cura para o tumor que ela tem. O futuro é o homem na bolha com a árvore em direção a Shibalba, aqui já é realidade, trata-se do cientista 500 anos depois que entretanto descobriu a cura para a morte, que leva Izzi que renasceu na árvore (no final do filme vemos ele a plantar uma semente da árvore que aparece ao longo do filme no túmulo dela e assim nasce a árvore que ele mais tarde transporta) em direção a Shibalba para poderem renascer e assim ficarem juntos para sempre. Mas só poderão ficar juntos quando o cientista descobrir que tem de aceitar a morte, e é isso que ele descobre e faz, decide morrer (vemos isso representado na história do passado quando ele bebe a seiva da árvore da vida), ao morrer ele dá de novo vida á árvore (Izzi) que transporta consigo que entretanto tinha morrido durante a viagem. Está terminado assim o último capítulo, que é a aceitação da morte por parte do cientista e assim vivem juntos para sempre....
4*

aceitam-se interpretações......

3.0/5jonas jonas 4 de Novembro de 2008 às 02:24

nao encaixa no meu genero de cinema..de facto. dou 3* devido á realização, esta muito boa..e devido ás interpretações mas o filme em si é um bocado surreal..e nao aprecio muito isso. ha quem goste, ainda bem para o filme. 3*

3.5/5Valverde Valverde 27 de Outubro de 2008 às 21:30

Sem tirar qualquer crédito a The Fountain, deva-se dizer que a tristeza e a melancolia abatem o filme em tons carregados. É, pois claro, um filme insólito, mas que no fundo, trás um trabalhado argumento que se conjuga no meio de um carinho e ternura tão bem expressos pelo realizador e o elenco. Não é um grande filme, mas é um dos mais interessantes dos ultimos tempos. A mensagem final que transmite é de uma forma nua e crua atemorizante e cruel.

3.0/5Sofia Sofia 8 de Agosto de 2008 às 00:25

È um filme que temos de ver num dia que estejamos com o espirito aberto, se tivermos chateados, aborrecidos, nao vejam.

Como disse a Liliana, é um filme que tambem julgo que se enquadra no surrealismo.

Gostei do paralelismo entre diferentes tempos,do argumento e das representações claro.

È um filme diferente e com uma beleza muito propria.

Saudações Cinematograficas

5.0/5FinalFantasy FinalFantasy 26 de Julho de 2008 às 18:42

Um dos mais belos filmes de sempre.
Amo este filme.
Das únicas 3 notas 10 que já dei em mais de 500 filmes

2.0/5kimERA kimERA 22 de Maio de 2008 às 18:47

Não consegui ver durante muito tempo, talvez não estivesse num dia com muita paciência ou simplesmente não fizesse o meu género. No entanto o pouco que vi consegui observar alguma qualidade de realização.

3.5/5Liliana Liliana 13 de Maio de 2008 às 01:26

Que filme estranho!acho q se enquadra completamente no surrealismo :) é sem duvida inovador, e impressionante! mas, para mim falta-lhe qualquer coisa... não gostei muito do final, acho q o argumento poderia ter sido estruturado e direccionado de forma diferente... ao ver o filme gostei bastante de determinadas cenas, mas de outras... detestei! acho q é uma história "pesada" e demasiado triste, apesar de ser muito criativa. Mas apesar de tudo, é um filme q fica na memória, por ser diferente.

2.0/5DiHenry DiHenry 10 de Março de 2008 às 10:38

Um filme mediano que nao tras nada de novo e um pouco secante tambem.

2,5 estrelas.

5.0/5João Grilo João Grilo 4 de Fevereiro de 2008 às 23:21

Impressionante.

5.0/5Rjckarddo Rjckarddo 9 de Dezembro de 2007 às 04:32

Nada a acrescentar ao comentários positivos já aqui deixados para a posteridade.
Um filme a recordar para sempre... Simplesmente brilhante.

4.0/5Bruno César Bruno César 1 de Julho de 2007 às 13:04

Um filme muito bom, um dos filmes mais intrigantes e surpreendentes deste ano. O filme apresenta uma narrativa que ultrapassa o tempo e o espaço. Uma única história contada de uma forma diferente e muito bem conseguida. Jackman e Weisz desempenham os seus papeis de uma forma fantástica, a química entre os dois transparece na tela e faz com que fiquemos presos a este filme. O único ponto negativo é a lentidão que se apodera da narrativa do filme tornando-o um pouco parado e assim perdendo alguns pontos positivos. Um filme a ver por todos mas que de certo não irá agradar a todo o público. Para ver e reflectir na vida.

Carlos Varandas
Carlos Varandas 23 de Maio de 2007

Filme transversal, quer no tempo, quer no espaço, quer no argumento. Muita fantasia, muita ficção, romance... Por vezes torna-se um quanto confuso, sendo por isso provavelmente não muito bem recebido pelo público; o público alvo deste filme é muito restrito. Por isso, o haver apenas dois estados de espírito para "The Fountain": ou se ama, ou se detesta.
A criatividade é o principal ponto positivo, sendo que as interpretações de Hugh Jackman, mas principalmente Rachel Weisz também são muito boas.

Quanto a mim, gostei do filme. Foi uma experiência agradável, com diálogos deliciosos e com muitas cenas para fazer pensar e não apenas ficar a olhar para um ecrã, a verem-se desenrolar os acontecimentos à nossa frente. Agrada-me particularmente esta característica da arte: o facto de ser subjectiva e parecer o que os olhos que a vêem quer que pareça.

Aconselho vivamente.

Mega
Mega 21 de Maio de 2007

Nada de especial... Bom para adormacer.

mromariz
mromariz 15 de Maio de 2007

Pontos positivos:
- Excelente argumento,
- Excelentes interpretações de Rachel Weisz e Hugh Jackman,
- Excelente banda sonora,
- Excelente fotografia

Pontos negativos:
- Nada

Resumo: Excelente filme, adorei, melhor filme que vejo em muito tempo, completamente diferente de qualquer filme que já tenham visto até agora, sem duvida entra na minha lista de melhores filmes de sempre, não percebo porque não levou nomeação para oscares.

Avaliação:9.8/10*(eu até dava 10, mas não gosto de dar notas máximas...lol)

Pedro Almeida
Pedro Almeida 10 de Maio de 2007

NADa de interessante

Penny
Penny 9 de Abril de 2007

Que filme tão triste... Ao principio fica-se um bocado aparvalhado mas depois consegue-se entender bem o filme. Muito bom, gostei. Nota 4

Nando
Nando 30 de Março de 2007

A roçar a perfeição. É uma pena que tenha recebido tão pouco atenção no nosso país.