(2006)

poster

a crítica

(...) delicada mas firme rede cómico-pungente, cosida e lançada com mão de mestre por Resnais”
Eurico de Barros, Notícias Sábado
O que é notável é que Resnais equilibre de forma tão perfeita o humor e a "gravitas" (...) deixa-se invadir por uma angústia que, em termos de correspondência dramática, chega a ser surpreendente”
Luís Miguel Oliveira, Público