O Bom Nome (2006)

The Namesake

poster

Sinopse

Logo a seguir ao casamento combinado, Ashoke e Ashima mudam-se da húmida cidade de Calcutá para a invernosa cidade de Nova Iorque, onde começam a sua nova vida juntos. Virtualmente estranhos um para o outro e agora a viver numa terra desconhecida, a sua relação rapidamente sofre uma mudança quando Ashima dá à luz um filho. Sob a pressão de lhe dar rapidamente um nome, Ashoke decide-se por Gogol, nome do famoso autor russo, nome esse que serve como elo de ligação a um passado secreto e à esperança de Ashoke: um futuro melhor. Mas a vida não é tão fácil para Gogol como os seus pais podiam desejar. Sendo um jovem americano de primeira geração, Gogol (Kal Penn) tem de percorrer a ténue linha entre as suas raízes bengali e a nacionalidade americana na procura da sua própria identidade. Enquanto Gogol tenta escrever o seu futuro – renunciando ao nome dado pelos seus pais, namorando com uma rapariga americana rica, indo estudar arquitectura para a Universidade de Yale – os seus pais mantém-se fiéis às tradições bengali.



Visitantes
Visitantes
3.4 (17 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
2.4 (7 votos)
galeria

Detalhes

Ano: 2006
Estreia nacional: 05 de Abril de 2007 (#14 na 1ª semana)
Estreia mundial: 09 de Março de 2007

País: Índia, EUA
Género: Drama, Comédia, Romance
Duração: 122 min.
Classificação: M/12
Distribuidora: Castello Lopes

Realização:
Mira Nair

Intérpretes:
Kal Penn, Irfan Khan, Jagannath Guha, Ruma Guha Thakurta, Jacinda Barrett

Outros títulos:
Nome de Família (Brasil)

Links:
www.castellolopesmultimedia.com/namesake (site oficial)
www.foxsearchlight.com/thenamesake (site oficial)
www.apple.com/trailers/fox_searchlight/thenamesake/ (trailers)
www.imdb.com/title/tt0433416

A crítica

Não é uma obra-prima (...) sabe contar uma história e apresentar-nos uma família indiana na América, sem piadas falsas, sem histerismos desnecessários. Para além dos estereótipos.”
Rui Pedro Tendinha, Premiere

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

4.0/5Pedro Pedro 20 de Junho de 2008 às 22:49

Gostei bastante.
No final fiquei inclusive um pouco emocionado, ou melhor, na parte da morte e consequências/alterações que a ela se seguiram. Os actores estiveram bem, destaco o pai e o filho. Este 2º já conhecido dumas comédias.
Da realizadora Mira Nair vi o "feira das vaidades", com a Reese Witherspoon. Parece que também há o "Casamento Debaixo de Chuva", outro filme se calhar mais coisas menos coisa do mesmo género, indiano.

3.5/5Kermit Kermit 5 de Junho de 2007 às 22:08

É habitual, quando vemos um filme do qual já lemos o livro, dizermos que o último é melhor. Normalmente, a ideia surge-nos porque no livro absorvemos a história pela nossa própria versão, e não pela de um realizador, por mais meritória que esta seja. Só que muitas vezes o realizador, ou a pessoa que adapta a narrativa ao ecrã, conhece de perto não só a obra, como muitas vezes o próprio escritor e todas as suas vivências e sentimentos. Deve ser o caso de Mira Nair e Jhumpa Lahiri. A primeira pegou num texto notável escrito pela segunda, naquilo que a simplicidade tem de notável, e acresceu outros condimentos que fazem de "O Bom Nome" um filme que não devo esquecer tão cedo.
Ashoke e Ashima, casam de acordo com os conceitos indianos do matrimónio. Antes disso nem se conhecem. Mas não importa para o caso. Porque assim que largados em Nova York, rapidamente são um para o outro. E amam desde logo os seus filhos que nascem desenraizados a tudo o que é importante para eles. É então que se desenvolve toda a história centrada no filho mais velho. Sai de casa rejeitando o próprio nome e tudo o mais que os pais lhe deram. Volta mais tarde percebendo que já não pode viver sem isso.
Se facilmente a sociedade molda o nosso comportamento individual e formarmos a nossa personalidade à sua conveniência, mais para a frente na nossa vida, voltamos sempre ao lugar onde nos sentimos confortáveis – nós próprios. Seja em Nova York ou Calcutá.
E por muito boa capacidade que tenhamos em imaginar as personagens de acordo com a nossa versão, dificilmente nos ocorreria um Ashoke de olhar tão doce, ou uma Ashima tão perfeita.