La Vie en Rose (2007)

La Môme

poster

Sinopse

Da sua infância à sua glória, das suas vitórias às suas mágoas, de Belleville a Nova Iorque, o percurso excepcional de Edith Piaf. Através de um destino inacreditável, descubra a alma de uma artista e o coração de uma mulher. Íntima, intensa, frágil e indestrutível, dedicada à sua arte até ao sacrifício, veja a mais imortal de todas as cantoras...



Visitantes
Visitantes
3.8 (59 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
1.3 (4 votos)
galeria

Detalhes

Ano: 2007
Estreia nacional: 25 de Abril de 2007 (#17 na 1ª semana)
Estreia mundial: 14 de Fevereiro de 2007

País: França, Reino Unido, Rep. Checa
Género: Drama
Duração: 140 min.
Classificação: M/12
Distribuidora: ZON Lusomundo

Realização:
Olivier Dahan

Intérpretes:
Marion Cotillard, Sylvie Testud, Pascal Greggory, Emmanuelle Seigner, Gérard Depardieu

Outros títulos:
Piaf - Um Hino ao Amor (Brasil)

Links:
www.tfmdistribution.com/lamome/lamome.htm (site oficial)
www.tfmdistribution.com/lamome/lamome.htm (trailers)
www.bilhetemagico.com/index.php?option=com_content&task=v...
www.imdb.com/title/tt0450188

A crítica

Uma boa interpretação de Marion Coltillard é o valor maior num filme cuja trama narrativa, convencional, cumpre objectivos, relata a história e lugares, recorda músicas, mas não ousa ir mais além...”
Nuno Galopim, Notícias Sábado

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

4.0/5Hollywood Ending Hollywood Ending 11 de Janeiro de 2011 às 18:47

Interpretação fabulosa de Marion Cotillard

5.0/5Mike20 Mike20 5 de Agosto de 2010 às 17:40

Apaixonante! É o que me ocorre dizer depois de ver este filme!
Musicas fantásticas.... Ambiente fabuloso... Fotografia e montagem excelentes... Emoções que vão do extase a uma depressao incrivel... E claro Marion Cotillard que para variar está FENOMENAL!

4.0/5Valverde Valverde 10 de Abril de 2010 às 02:09

Depois de se elogiar a direcção artística, a caracterização e a fotografia, (todo o filme em si) para último, mas não menos importante, está o que a desconhecida até então, Marion Cottilard, fez com um papel que lhe puseram nas mãos, retratando uma das maiores artistas francesas, e transformou-se numa espécie de milagre de interpelação, das mais intensas que tive o prazer de ver até hoje. Óscar mais do que merecido!