A Guide to Recognizing Your Saints (2006)

poster

Sinopse

Não existe uma sinopse para este filme.



Visitantes
Visitantes
3.4 (8 votos)
O meu voto
Login / Registo

Detalhes

Ano: 2006
Estreia mundial: 29 de Setembro de 2006

País: EUA
Género: Drama

Realização:
Dito Montiel

Intérpretes:
Dianne Wiest, Robert Downey Jr., Shia LaBeouf, Rosario Dawson

Outros títulos:
(Brasil)

Links:
www.firstlookstudios.com/guide (site oficial)
www.apple.com/trailers/independent/aguidetorecognizingyou... (trailers)
www.imdb.com/title/tt0473488

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

4.0/5Marco Almeida Paulo Marco Almeida Paulo 9 de Julho de 2008 às 18:21

Um dos filmes mais simples e ao mesmo tempo mais complexos que já vi nos últimos tempos sem dúvida que foi este. Simples, porque a premissa que nos oferece é bem fácil de compreender: Dito é um escrito em Los Angeles que recebe a chamada da sua mãe a avisa-lo que o seu pai havia adoecido. Assim, ele decide voltar a Queens, passados 15 anos, e numa série de flashbacks vamos conhecendo a sua infância e tudo a que levou a sê-lo a pessoa que é hoje, passando por temas como os problemas familiares, racismo, sexo ou a violência. Porque razão é um filme complexo? As personagens são construídas de forma sublime. A realização torna o filme ainda mais profundo havendo por vezes momentos de grande confusão deixando o espectador realmente atordoado nos momentos certos, assim como emocionado ou contente por observar certas atitudes.

O filme é interpretado por Robert Downey Jr. e por Shia Labeouf, ambos interpretam a mesma personagem mas em alturas diferentes. Shia vai apresentar-nos a infância de Dito Montiel (realizador e escritor do livro e do argumento do filme), passada nos anos 80 onde as ruas de Queens estão cheias de perigos mas que para ele, e o seu grupo de amigos, não passa de um passeio no parque. Robert Downey Jr interpreta Dito na actualidade. A contar-nos a história que escreveu no seu livro, a história da sua vida. Sem dúvida que estes dois actores, de gerações diferentes, foram excelentes nos seus papéis. Shia tem vindo a impressionar com os filmes onde entra, e este (que vem antes de Disturbia ou Transformers) só vem confirmar que ele veio para ficar e onde ele entre, teremos um bom trabalho de certeza. É raro o papel que este actor não se entrega a 100%. Robert Downey Jr, não lhe fica atrás. Não podia estar em altura melhor da sua carreira. Superados os problemas que o assombraram anteriormente, agora está a entrar em filmes que o voltam a colocar num patamar que muitos desejam ter, mas que só com trabalho de qualidade, como tem vindo a fazer, é possível lá chegar.

Outros são os actores que brilham neste filme e alguns até conseguem surpreender bastante, como é o caso de Channing Tatum, que as suas escolhas mais recentes para filmes têm deixado um pouco a desejar, mas que aqui mostra ser capaz de muito melhor do que comédias para adolescentes. Depois temos uma Dianne Wiest que é uma mãe adorável e esplêndida e Chazz Palminteri como pai doente e rígido de Dito, mas que nos momentos chave consegue ser arrebatador. Rosario Dawnson além de um papel pequeno, consegue também ter o seu brilho do costume e não deixa de encantar o espectador no pequeno espaço que lhe é dado neste filme.

Como já mencionado, a realização do filme está diferente do que é costume. A mistura de imagens com som vindo de uma cena ainda por acontecer que nos é mostrada a seguir toda retalhada mas que, por estranho que pareça, faz todo o sentido na nossa cabeça, foi conseguida de uma forma espectacular. Não só é diferente como funciona. Como também já foi dito, a camara consegue captar os momentos de forma única deixando o espectador a perceber toda a intensidade dos momentos a serem mostrados. Estrear-se num filme, realizando-o e escrevendo-o e ainda ter a qualidade que tem ou é sorte ou é aptidão natural para a 7ª arte, mas seja o que for, que continue a fazê-lo para tirar a prova dos nove e espera-se que seja aptidão, pois temos aqui um belo realizador e argumentista.

De resto, não há nada que se destaque muito, a banda sonora tem os seus momentos, mas não deixa grande marca, já que também é rara a vez que é ouvida, assim como outros actores do filme não deixem muitas saudades para uma futura visualização e talvez seja ai que o filme não prende muito o espectador. Se por um lado temos representações estonteantes, depois temos a contrastar representações mediocres que deixam um "sabor" agri-doce arriscando mesmo a dizer que é capaz de manchar o filme e por conseguinte, algumas das cenas do filme levam "por tabela" graças a falta de capacidade de grande parte dos actores.

Mas este é um daqueles filmes que recomendo a todos. Não o deixem de ver pois além de ser ainda totalmente desconhecido de muitos, poderá vir a tornar-se num filme que todos devem ver, não só pela lição que ensina, pois todos temos forma de alterar o que queremos ser da vida, mas porque estamos perante algo único e que não se deve deixar escapar.