Luzes no Crepúsculo (2006)

Lights in the Dusk

poster

Sinopse

"Luzes no Crepúsculo" conclui a trilogia iniciada por "Nuvens Passageiras" e "Um Homem sem Passado". O primeiro filme da trilogia foi sobre o desemprego, o segundo sobre os desalojados, e o tema de "Luzes no Crepúsculo" é a solidão. Como o pequeno vagabundo de Chaplin, o protagonista, um homem chamado Koistinen, procura no duro mundo uma pequena brecha pela qual possa rastejar. No entanto, tanto os seus semelhantes como o aparato da sociedade sem rosto fazem questão de esmagar as suas modestas esperanças, uma após outra. Elementos criminosos exploram a sua ânsia por amor e a sua posição de guarda-nocturno num roubo que executam, deixando Koistinen abandonado às consequências. E eis como Koistinen é privado do seu emprego, da sua liberdade e dos seus sonhos...



Visitantes
Visitantes
3.2 (10 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
2.8 (13 votos)

Detalhes

Ano: 2006
Estreia nacional: 22 de Novembro de 2007
Estreia mundial: 03 de Fevereiro de 2006

País: Finlândia, Alemanha, França
Género: Drama, Crime
Duração: 78 min.
Classificação: M/16
Distribuidora: Atalanta

Realização:
Aki Kaurismäki

Intérpretes:
Janne Hyytiäinen, Maria Järvenhelmi, Maria Heiskanen

Outros títulos:
Luzes na Escuridão (Brasil)

Links:
movies.nytimes.com/movie/348260/Lights-in-the-Dusk/trailers (trailers)
www.imdb.com/title/tt0458242

Filmes relacionados

O Homem Sem Passado (2002)

A crítica

ver todas
Retrato negro de uma sociedade fria, com mais problemas sociais do que deixa ver, e que o cinema de Kaurismaki denuncia, mas no oposto do panfleto.”
João Antunes, Jornal de Notícias
O finlandês Aki Kaurismaki é um desses raros observadores do quotidiano e das pessoas mais apagadas, com um cinema em que o efeito mínimo se conjuga com o realismo, um realismo isento de... mais ››
Manuel Cintra Ferreira, Expresso

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

Anton Ni Brahonain Anton Ni Brahonain 28 de Fevereiro de 2008 às 12:59

É um filme onde a amargura da solidão é o pano de fundo, contudo, aqui e ali, surgem momentos de um humor caústico e corrosivo de almas mais românticas. Trata-se duma crítica às socidades comtemporâneas, onde não há lugar ao humanismo, onde vivem cada vez mais pessoas em espaços mais cosmopolitas, mas menos humanamente comunitários. É nitidamente um filme mais intelectual do que comercial, onde se deixa espaço à reflexão enquanto se vai assistindo ao desenrolar da película.