Babylon A.D. (2008)

poster

Sinopse

Toorop (Vin Diesel) travou inúmeras batalhas e sobreviveu às muitas guerras que, logo após o início do século XXI, devastaram o mundo. Gosrky (Gérard Depardieu), um membro da máfia que reina sobre a Europa de Leste, confia a este mercenário uma delicada missão: acompanhar, numa viagem desde a Rússia até Nova Iorque, uma misteriosa rapariga chamada Aurora (Mélanie Thierry), juntamente com a sua tutora, Irmã Rebecca (Michelle Yeoh) e colocá-la nas mãos de uma poderosa ordem religiosa...



Visitantes
Visitantes
2.5 (111 votos)
O meu voto
Login / Registo
PTGate
PTGate
2.0
Crítica
Crítica
0.3 (3 votos)

Detalhes

Ano: 2008
Estreia nacional: 28 de Agosto de 2008 (#2 na 1ª semana)

País: EUA, França
Género: Acção, Ficção Científica, Thriller
Duração: 101 min.
Classificação: M/12
Distribuidora: ZON Lusomundo

Realização:
Mathieu Kassovitz

Intérpretes:
Vin Diesel, Michelle Yeoh, Mélanie Thierry, Gérard Depardieu, Mark Strong

Outros títulos:
Missão Babilônia (Brasil)

Links:
www.babylonadmovie.com (site oficial)
www.imdb.com/title/tt0364970

A crítica

Kassovitz bate no fundo (...) BABYLON A.D. é uma distopia místico-tecno-xunga que dá ao público o que os estudos de mercado dizem que o público quer: efeitos especiais e esoterismo barato para... mais ››
Vasco Baptista Marques, Expresso

Blogs

3.5/5Babylon A.D.
Diesel no seu ambiente, salva um filme que apesar de ter alguns momentos bons não passa de mais um revisitar de temáticas já exploradas”
Take 44, 26/Nov/2008
2.0/5Babylon A.D.
O mais frustrante nisto tudo é que Kassovitz tinha pela sua frente, matéria-prima para muito mais, mas preferiu ficar pela aprovação do sucesso comercial e realizou um filme de ficção científica chunga para as audiências de Velocidade Furiosa.”
Cinematograficamente falando, 13/Set/2008
2.0/5Point-Of-View Shot - Babylon A.D. (2008)
A verdade é que a intenção de Babylon A.D. poderia até ser boa, em termos de dar visões sobre a corrupção, clonagem, seitas religiosas... o problema é que, para fazer isso, e para que o espectador o compreenda, é preciso que o texto seja bom. Ou melhor, é pelo menos necessário que o texto seja coerente...ou que haja um texto para começar...o que aqui parece nem existir.”
Close-up, 12/Set/2008
sugerir um link

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

2.5/5Diogo Pinheiro Diogo Pinheiro 13 de Junho de 2013 às 02:10

Depois de se ver este filme fica-se com uma sensação agridoce. O filme começa por cometer um erro terrível: apresenta-nos uma realidade diferente, no futuro, e não nos enquadra no ambiente esperando que sejamos nós a perceber o que ali se passa. O problema é que nem se fala em nada da história na primeira hora de filme como se de um filme contemporâneo se tratasse. Quando de facto se começa a explorar a história e o contexto, o interesse sobe e o filme entra no seu melhor período. Depois tem outras cenas descabidas e o final deixa a desejar. É muito fácil ver este filme e ficar sem saber o que se viu. Penso que havia material para mais e o filme acaba penalizado por isso.

3.0/5CODEX CODEX 24 de Janeiro de 2010 às 10:22

Adradável, concordando que poderia ter sido explorado maior o potencial do argumento e dos actores.
Mas não é tão fraco como tentam transmitir.
3*

3.0/5Maaaaaaat Daaamooooon Maaaaaaat Daaamooooon 7 de Outubro de 2009 às 22:01

Não diria que a culpa foi do realizador, pelo menos ele próprio disse que a produtora (FOX) mudou o seu filme todo, eliminando cenas necessárias de modo a tornar este filme num blockbuster só para entreter - ele chamou o filme de horrivel! Mas a história do filme e o seu desenvolvimento e tudo ao seu redor é necessário que haja bastante desenvolvimento tanto como nas personagens como no filme, o que não aconteçe e deixa o espectador confuso sem perçeber as situações e sem quaisquer sentimentos pelas personagens principais. No final, sai-se sem perçeber o que se viu, um blockbuster? ou um filme para ser apreciado criticamente?

2*