W. (2008)

poster

a crítica

(...) acaba por cair num cliché típico do burgo (...) Porém, há pormenores interessantes e interpretações excelentes, que não deitam tudo a perder.”
Ana Markl, Sol
É um ponto de vista, mas também um tipo de psicologismo superficial que, cinematograficamente, interessa pouco (...) Onde está o interesse de W., afinal? Na reflexão sobre a natureza e o poder da imagem”
Francisco Ferreira, Expresso