Duas Mulheres (2009)

poster

Sinopse

Joana, médica psiquiatra de 40 anos, é casada com Paulo, executivo de uma grande empresa financeira. O casal tem a existência dourada a que dá direito a profissão e a estabilidade de Joana e o poder de Paulo, apesar de, neste caso, os circuitos do dinheiro e dos seus interesses obrigarem a recondicionamentos e sobressaltos constantes, como agora acontece com uma guerra de accionistas à porta. Paulo espera que Joana cumpra o seu papel e o siga nas suas constantes demonstrações sociais de influência e competência. Mas a disposição e o quotidiano de Joana são profundamente alterados, quando Mónica, uma jovem modelo, entra na sua vida, por via de uma consulta de urgência. Mónica traz com ela a beleza, o espírito e a juventude, que Joana interpreta como sendo, ao mesmo tempo, os sinais de um futuro, mas também as marcas de um passado que podia bem ter sido o seu. Irresistivelmente atraída, como a abelha pelo pólen, Joana envolve-se romanticamente com Mónica, que a transporta para um mundo libertador de experiências e sentimentos, cuja aventura e turbulência está muito longe da futilidade que a persegue no dia a dia. Será, porém, uma viagem breve, já que a revelação do romance força Paulo a tomar medidas drásticas...



Visitantes
Visitantes
2.9 (5 votos)
O meu voto
Login / Registo
PTGate
PTGate
3.5
Crítica
Crítica
2.8 (6 votos)
galeria

Detalhes

Ano: 2009
Estreia nacional: 24 de Junho de 2010

País: Portugal
Género:
Duração: 100 min.
Classificação: M/16
Distribuidora: Costa do Castelo

Realização:
João Mário Grilo

Intérpretes:
Beatriz Batarda, Débora Monteiro, Virgílio Castelo, Nicolau Breyner

Links:
www.duasmulheres.costacastelo.pt (site oficial)
vimeo.com/10866735 (trailers)

A crítica

Com o subtítulo «A Condição Humana», «Duas Mulheres» é um filme que possui como maior virtude a capacidade de prender o espectador, não pela história... mais ››
Paulo Figueiredo, Cinema PTGate

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

2.0/5Liliana Rabuja Liliana Rabuja 24 de Abril de 2011 às 18:32

Não gostei. Aborrecido.