(2009)

poster

Sugerir blog


Se achar que merecemos, p.f. coloque um link para esta p‡gina. Agradecemos o seu contributo!

Para submeter um link faça login ou registe-se

blogs

5.0/5O Laço Branco / Das Weisse Band - Eine deutsche Kindergeschichte (2009)
Ajaezado por uma pulcritude fotogénica e uma entremeada pungência argumentativa diacrónica, O Laço Branco é um possante émulo a obra-mestre do realizador austríaco.”
seeSAWseen, 26/Jun/2010
4.0/5"Das Weisse Band" por Nuno Reis
A narrativa é muitas vezes interrompida por planos silenciosos e desertos de gente precisamente para forçar a uma reflexão breve e permanente sobre o que acabou de acontecer. Ou o que está a acontecer e não mostram. Só com esses momentos de processamento se consegue acompanhar uma história onde o fundamental é invisível.”
Antestreia, 20/Abr/2010
4.0/5O Laço Branco, por Carlos Antunes
Michael Haneke conseguiu, mais uma vez, reflectir ferozmente num filme seu sobre temas que não se podem ignorar, sem nunca desprezar a essência cinematográfica do meio onde se expressa.”
Split Screen, 15/Mar/2010
4.5/5The White Ribbon
The White Ribbon é a insólita obra deste início do ano.”
Cinematograficamente falando, 11/Fev/2010
5.0/5Portal Cinema - Das Weisse Band
O novo trabalho de Michael Haneke é um verdadeiro desafio à intelectualidade e à subjectividade dos espectadores, no entanto, apenas aqueles que apreciem produções complexas é que deverão apreciar esta obra-prima na sua total magnificência.”
Portal Cinema, 25/Jan/2010
4.5/5Crítica: «O Laço Branco» – O filme que Bergman nunca fez
Mas onde O Laço Branco se aproxima do estatuto de obra-prima é na direcção artística (de Christoph Kanter). Trata-se de uma recreação deslumbrante de um período e local reais, que existiram, filmado num preto e branco lindíssimo por Christian Berger.”
Ante-cinema, 25/Jan/2010
4.5/5O Laço Branco, por Tiago Ramos
Independentemente da época do filme, há uma coisa transversal a Michael Haneke: a crueldade com que filma. O poder da subversão, a maneira como filma a maldade, a forma intensa como escreve, a sensação de "murro no estômago", a crítica à sociedade em convulsão.”
Split Screen, 17/Jan/2010