Canino (2009)

Kynodontas

poster

Sinopse

O pai, a mãe e os três filhos vivem numa casa nos subúrbios da cidade. À volta da casa existe uma cerca alta, que as crianças nunca passaram. Estão a ser educadas, entretidas, chateadas e exercitadas da forma que os pais consideram adequada, sem qualquer influência do mundo exterior. Acreditam que os aviões que voam por cima da casa são brinquedos e, que os zombies são pequenas flores amarelas. A única pessoa autorizada a entrar em casa é Cristina, que trabalha como segurança na empresa do pai. O pai organiza as suas visitas lá em casa para que ela apazigue os impulsos sexuais do filho. Toda a família gosta dela, sobretudo a filha mais velha. Um dia, Cristina dá-lhe como presente uma bandolete com umas pedras que brilham no escuro e pede-lhe algo em troca.



Visitantes
Visitantes
3.3 (19 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
2.7 (9 votos)
galeria

Detalhes

Ano: 2009
Estreia nacional: 29 de Julho de 2010

País: Grécia
Género: Drama
Duração: 94 min.
Classificação: M/18
Distribuidora: Clap Filmes

Realização:
Giorgos Lanthimos

Intérpretes:
Christos Stergioglou, Michelle Valley, Aggeliki Papoulia

Outros títulos:
Dogtooth

Links:
www.dogtooth.gr (site oficial)
www.youtube.com/watch?v=sLk6wysJBM4 (trailers)
www.imdb.com/title/tt1379182

A crítica

O mundo de CANINO é, simplesmente, demencial e absurdo. Por isso, fica a pairar como um ovni, algo inútil, pois não tem veemência que nos chegue a agredir, nem beleza que baste para nos emocionar”
Jorge Leitão Ramos, Expresso
(...) virulento, feroz, francamente original (...) CANINO é um filme que não se cataloga”
Francisco Ferreira, Expresso

Blogs

4.5/5Canino, por Tiago Ramos
Canino é um dos objectos mais singulares que terão oportunidade de estrear este ano. Entre o bizarro e o surreal, encontramos um filme interessantíssimo, bastante semelhante a uma tese, quase a roçar o experimentalismo e que não deve com certeza ser ignorado.”
Split Screen, 11/Ago/2010
sugerir um link

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

4.0/5Valverde Valverde 2 de Fevereiro de 2011 às 18:52

Este filme grego é um ensaio bizarro, sinistro e cheio de impressão, onde a forma do autor expressar a maneira como o molde do ser humano pode ser adaptado é quase imediatamente levada à letra. É diferente, tendo uma certa influencia do cinema de Ingmar Bergman e funciona de uma forma extraordinariamente atroz. Incrivelmente a Academia de Hollywood decidiu chamar este filme aos nomeados da categoria de Filme Estrangeiro e foi uma grande decisão.