Dorian Gray (2009)

poster

Sinopse

Quando Dorian Gray (Ben Barnes), um jovem ingénuo de uma admirável beleza, chega à Londres Vitoriana, rapidamente é arrastado pelo carismático Henry Wotton (Colin Firth) para o turbilhão da alta sociedade local, onde se inicia nos prazeres da cidade. Pouco tempo depois, um amigo de Henry, o artista Basil Hallward (Ben Chaplin), decide pintar o retrato de Dorian a fim de captar todo o poder da sua beleza. Quando a obra é finalmente desvendada, Dorian faz uma irreverente promessa: dar tudo para se manter para sempre igual ao seu retrato, até mesmo a alma. À medida que as suas aventuras libertinas continuam, Dorian repara que o seu retrato, então guardado no sótão, começa a revelar uma imagem perturbadora, com o que deveriam ser as marcas dos seus excessos, ao passo que a sua própria cara se mantém inalterada pelo tempo e pelas suas acções...



Visitantes
Visitantes
2.9 (39 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
1.4 (5 votos)
galeria

Detalhes

Ano: 2009
Estreia nacional: 15 de Abril de 2010 (#19 na 1ª semana)
Estreia mundial: 09 de Setembro de 2009

País: Reino Unido
Género: Drama
Duração: 112 min.
Classificação: M/16Q
Distribuidora: Castello Lopes

Realização:
Oliver Parker

Intérpretes:
Colin Firth, Ben Barnes, Rachel Hurd-Wood, Rebecca Hall

Links:
www.castellolopesmultimedia.com/doriangray (site oficial)
www.imdb.com/title/tt1235124

A crítica

Oliver Parker consegue a proeza de transformar o belo e filosófico romance publicado em 1891 por Oscar Wilde num grotesco e primário arremedo de filme de terror cruzado com elementos de fantástico... mais ››
Nuno Carvalho, Notícias Sábado
(...) o filme de Parker comete um feito notável: o de tornar invisível um magnífico romance. Um filme medonho.”
Vasco Baptista Marques, Expresso

Blogs

2.0/5Dorian Gray
(...) como conseguiram arruinar um grande romance?”
Cinematograficamente falando, 12/Mai/2012
1.5/5Dorian Gray, por Carlos Antunes
Actualizá-lo para aquilo que se pensa ser as vontades modernas do público de cinema não passa, fundamentalmente, de um erro, que afasta os leitores veteranos e não conquista quaiquer outros.”
Split Screen, 18/Mai/2010
1.5/5"Dorian Gray" por Nuno Reis
É um conto gótico que serve de metáfora para o culto da juventude e beleza ainda tão em voga nos nossos tempos. E é daqueles casos em que o cinema nada dá a ganhar ao livro.”
Antestreia, 2/Mai/2010
sugerir um link

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

3.0/5Diogo Pinheiro Diogo Pinheiro 14 de Maio de 2012 às 00:45

Não desgostei, mas tinha melhores expectativas.

2.5/5Maria Inês Maria Inês 10 de Março de 2011 às 12:42

É mau. Para os que leram o livro de Oscar Wilde (e para quem o considera uma fantástica obra prima, como é o meu caso e de muitas outras pessoas), é de esperar uma grande desilusão. Não há nada contra modificar uma história, no entanto modificá-la para pior, contar o que é essencial nos primeiros 10 minutos e ocupar o resto com acontecimentos dispensáveis faz deste filme um objecto muito fraco. Para não mencionar o elenco, que prometia um espectáculo e acabou por brilhar muito pouco à conta do argumento...vale mais pela banda sonora, a imagem e a montagem, bem como um guarda roupa à altura do projecto.

2.0/5jonas jonas 19 de Maio de 2010 às 18:35

mau..esta historia merecia muito mais 2*