Contraluz (2010)

poster

Sinopse

Várias pessoas sem ligação entre si estão em situações de extremo desespero quando algo inesperado acontece que irá mudar radicalmente o rumo das suas vidas. Caberá a cada um moldar o seu destino de modo a reencontrar a felicidade. Mas há destinos que só se alcançam depois de alterar o dos outros.



Visitantes
Visitantes
3.1 (51 votos)
O meu voto
Login / Registo

Detalhes

Ano: 2010
Estreia nacional: 22 de Julho de 2010 (#9 na 1ª semana)

País: EUA
Género: Drama, Acção, Aventura
Duração: 90 min.
Classificação: M/12
Distribuidora: ZON Lusomundo

Realização:
Fernando Fragata

Intérpretes:
Joaquim de Almeida, Skyler Day, Scott Bailey, Ana Cristina de Oliveira

Outros títulos:
Backlight

Links:
www.filmecontraluz.com (site oficial)
www.filmecontraluz.com/CONTRALUZ/trailer1.html (trailers)
www.imdb.com/title/tt1326238

Blogs

3.0/5Contraluz
Mas tenta ser algo que não consegue. No geral, não cumpriu com aquilo que me prometeu. E isso deve-se, especialmente, ao argumento, pois ele exige muita “fé” por parte de quem estiver a ver.”
35mm, 13/Dez/2011
2.5/5"Contraluz" por Nuno Reis
No fim fica o sentimento de desilusão em relação ao prometido, mas a sensação de que o dinheiro do bilhete foi bem gasto. Depois do cinema de autor, eis que o cinema português começa a abandonar a faceta artística e a ter potencial comercial e para exportação.”
Antestreia, 13/Ago/2010
sugerir um link

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

3.0/5Diogo Pinheiro Diogo Pinheiro 27 de Março de 2013 às 03:27

Não é um filme consensual de todo. A ideia de destino e da influência que os personagens vão tendo na vida uns dos outros está bem conseguida. No entanto tem momentos absurdamente previsíveis dos quais se destacam quase todos os momentos da sequência da mãe e da filha que ouve(!?) palavras num telemóvel avariado. Compreendo que, tal como o GPS, se trata de uma metáfora para as "pistas" do destino, mas não deixa de ser... "estranho". Gostava ainda de destacar uma das piores cenas de que tenho memória protagonizada pela mãe da Lucy quando fica com o lenço preso na porta do carro e depois em vez de simplesmente o desenrolar do pescoço deixa-se ir a reboque do carro. O final acaba por ser também um pouco sensaborão. No cômputo geral o filme é positivo, mas fica a ideia de que ali ou ali perdeu a oportunidade de alcançar algo mais.

3.0/5Daniel Daniel 18 de Fevereiro de 2012 às 03:21

Fernando Fragata deve ser dos pouquíssimos realizadores portugueses que se preocupa com o espectador. Mas é também dos que põe a estética acima de outras coisas.
Excesso de retoques nas imagens, planos épicos, slow-motions e banda sonora demasiado expressiva... para uma história extremamente simples. Não casou.
Mas pronto, é este o caminho do cinema português deve tomar e vale a pena ver.

1.0/5Valverde Valverde 20 de Junho de 2011 às 19:00

A produção americana nada de bom veio acrescentar ao filme de Fragata. Parece mesmo que até veio trazer um excesso de utilização de certas técnicas, entre uma fotografia demasiado produzida ou uma banda sonora demasiado independente das cenas que acompanha. O argumento é interessante mas pessimamente desenvolvido. Algumas cenas são absolutamente desnecessárias e outras demasiado evidentes. No final fica um filme falhado que nada de novo trouxe.