Quinze Pontos na Alma (2011)

poster

Sinopse

Lisboa. Princípio da noite. Um dia igual aos outros. Simone sai do trabalho atrasada para uma festa. Tem vinte minutos para chegar a Oeiras. Assim que entra no Viaduto Duarte Pacheco, vive um estranho acontecimento irá mudar a sua vida para sempre. Um homem de trinta anos, Guilherme, está pronto a saltar. Simone sai do carro e aproxima-se tentando salvá-lo. Qualquer coisa os une. Um beijo. Simone abre os olhos mas já não o vê. Ficou com o último beijo deste homem que agora quer conhecer. Agora, numa cidade repleta de mistérios, Simone tenta descobrir quem é aquele homem, vivendo uma aventura para lá da sua imaginação. Um mistério que se transforma em obsessão. Simone introduz-se na família de Guilherme e faz-se passar por namorada, amante, mulher procurando conhecer o homem que nunca chegou a ter. Simone tinha um marido, uma casa, uma vida perfeita. Agora tem um sonho que não pretende deixar fugir mesmo que isto signifique deixar tudo para trás. Guilherme é o resgate do sonho, do perigo, do desafio, porque às vezes ter tudo não chega.



Visitantes
Visitantes
3.8 (11 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
1.0 (2 votos)
galeria

Detalhes

Ano: 2011
Estreia nacional: 07 de Abril de 2011

País: Portugal
Género: Drama
Duração: 92 min.
Classificação: M/12
Distribuidora: ZON Lusomundo

Realização:
Vicente Alves do Ó

Intérpretes:
Maya Booth, Ivo Canelas, Ana Moreira

Links:
ukbarfilmes.com/quinzepontos (site oficial)
www.imdb.com/title/tt1774537

Blogs

3.0/5Quinze Pontos na Alma
Contudo, mesmo ficando com a promessa, a longa-metragem de estreia de Vicente Alves de Ó é um filme belíssimo e com todos os toques que nos indicam que o cineasta é um conhecedor do Cinema em geral. Com isto devo salientar que o cineasta português é um nome a reter na nossa própria cinematografia? Só o futuro dirá, mas a contar com esta amostra, espero que sim.”
Cinematograficamente falando, 24/Set/2012
3.0/5Quinze Pontos na Alma, por Tiago Ramos
Quinze Pontos na Alma é um obra difícil de classificar e definir, meio indecisa entre intenções, meio desequilibrado entre a exímia ambiência, competência técnica e sensibilidade e o argumento a espaços negligenciado e anulado por esse sentido estético. Mas como primeira obra não é descartável e deixa antever um potencial interesse em Vicente Alves do Ó como cineasta.”
Split Screen, 24/Abr/2011
sugerir um link

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

3.5/5Diana Garcia Pereira Diana Garcia Pereira 12 de Novembro de 2011 às 19:55

Na minha opinião este é um filme bem conseguido por parte de um realizador Português que não se acomodou aos habituais filmes tugas. Um drama poético que não se limita apenas a uma história vulgar. Apenas critico a perfeição dos espaços visuais do filme, para mim estão num exagero irreal da beleza. Mesmo assim aconselho a verem !

3.0/5Maria Inês Maria Inês 10 de Abril de 2011 às 12:00

Senti um pouco falta de sabermos mais sobre o passado dela: no trailer falam do quão perfeita é a vida, os amigos e o marido dela, e no filme não nos mostram isso assim tanto. Resumidamente, faltou um pouco a "reviravolta", no entanto, adorei a imagem e a banda sonora, e as personagens parecem-me ter sido bem construídas!