O Diário a Rum (2011)

The Rum Diary

poster

Sinopse

Cansado da loucura e do ruído de Nova Iorque e das esmagadoras convenções da América no final da era Eisenhower, o jornalista itinerante Paul Kemp (Depp) viaja para a pureza da ilha de Porto Rico para escrever para um jornal local, o San Juan Star, dirigido por um editor na mó-de-baixo, Lotterman (Jenkins). Adoptando o estilo de vida da ilha, bem regado de rum, Paul fica rapidamente obcecado por Chenault (Heard), a loucamente atraente noiva de Sanderson (Eckhart). Este, um homem de negócios envolvido em investimentos um pouco sombrios, é apenas um de um crescente número de empreendedores norte-americanos determinados em transformar Porto Rico num paraíso capitalista ao serviço dos ricos. Quando Kemp é contratado por Sanderson para escrever favoravelmente acerca do seu mais recente negócio sujo, o journalist é presenteado com duas opções: usar as suas palavras em benefício do corrupto negociante ou usá-las para o desmascarar...



Visitantes
Visitantes
2.9 (23 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
1.2 (5 votos)

Detalhes

Ano: 2011
Estreia nacional: 22 de Dezembro de 2011 (#6 na 1ª semana)

País: EUA
Género: Comédia, Drama, Romance
Duração: 120 min.
Classificação: M/12Q
Distribuidora: PRIS Audiovisuais

Realização:
Bruce Robinson

Intérpretes:
Johnny Depp, Aaron Eckhart, Michael Rispoli, Richard Jenkins, Giovanni Ribisi, Amaury Nolasco

Links:
www.imdb.com/title/tt0376136

A crítica

Bem podem as personagens andar de garrafa na mão e de charro entre os lábios: neste filme, o delírio thompsoniano não entra nem à lei da bala.”
Vasco Baptista Marques, Expresso

Blogs

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

3.0/5Valverde Valverde 7 de Fevereiro de 2012 às 01:39

Diário a Rum não é propriamente a fiel adaptação do livro homónimo, mas é certamente uma versão que segue uma linha de homenagem. O livro de Thompson esteve para nunca sequer ser publicado, não fosse a insistência do próprio Johnny Depp, seu amigo, como tal, sendo conforme disse Depp publicamente, o concretizar deste filme, significava prestar uma promessa feita pelo actor ao autor. Cheira por isso a homenagem, cheira a ideias soltas que ficam suspensas na narrativa desvairada e, pela parte que me toca, ainda que ache imperdoável não terem colocado uma das personagens principais, o filme têm todas as nuances que um copo de rum oferece, uma fotografia lunar e uma excelente direcção artística, também. E claro, Johnny Depp torna-o ainda mais interessante.