(2011)

Bruna Surfistinha

poster

Sinopse

Raquel (Deborah Secco) era uma jovem da classe média que estudava num colégio tradicional da cidade. Um dia ela tomou uma decisão surpreendente: tornar-se prostitua. Com o nome de Bruna Surfistinha, Raquel viveu diversas experiências "profissionais" e ganhou destaque nacional ao contar suas aventuras sexuais e afectivas num blog, que se transformou num livro best seller.



Visitantes
Visitantes
3.0 (25 votos)
O meu voto
Login / Registo
Crítica
Crítica
1.0 (1 voto)

Detalhes

Ano: 2011
Estreia nacional: 29 de Dezembro de 2011
Estreia mundial: 25 de Fevereiro de 2011

País: Brasil
Género: Drama
Duração: 109 min.
Classificação: M/18
Distribuidora: PepperView Entertainment

Realização:
Marcus Baldini

Intérpretes:
Deborah Secco, Cássio Gabus Mendes, Drica Moraes

Outros títulos:
Little Surfer Girl

Links:
www.imdb.com/title/tt1587828

A crítica

Deborah Secco mostra coragem pelo modo como arrisca expor-se perante a câmara, mas isso é, em rigor, a única coisa que o filme tem para oferecer.”
Vasco Baptista Marques, Expresso

Blogs

4.0/5Bruna Surfistinha, por Filipe Cabeleira
..vale maioritariamente pela interpretação e beleza cativante da atriz Deborah Secco. A atriz entrega-se de corpo e alma desempenhando um dos melhores papeis da sua carreira.”
oslivrosefilmesdaminhavida.blogspot.com, 2/Fev/2013
2.5/5Bruna Surfistinha
Tirando isso estamos a dispor duma esquemática pelicula que não conhece o território do erótico nem sequer sabe aproveitar da enfase dramática da figura central, ao invés disso se centra no puro moralismo e na exploração do símbolo sexual que é Deborah Secco. Sente-se esforço, mas não proeza.”
Cinematograficamente falando, 1/Mar/2012
sugerir um link

Comentários RSS

ver todos Faça login para deixar um comentário.

2.5/5..::Cátia Cruz::.. ..::Cátia Cruz::.. 6 de Setembro de 2012 às 10:20

Deborah Secco está muito bem no seu papel. No entanto, o filme funciona mais como uma espécie de voyeurismo, sem grande desenvolvimento em termos de argumento e personagens.

Vê-se bem mas, por vezes, fica no ar uma certa apologia da prostituição...

:)

2.0/5Valverde Valverde 22 de Janeiro de 2012 às 04:06

O filme sobrevive essencialmente pelo carisma de Deborah Secco. Pouco de inovador se encontra aqui, os lugares são comuns do velho alto e baixo da roda da vida e somos conduzidos pelas cenas prováveis do negócio de uma "garota de programa". Ainda que comercialmente tenha aproveitado os seus trunfos, isso não lhe prejudicou algum interesse narrativo.

3.5/5Diogo Pinheiro Diogo Pinheiro 30 de Dezembro de 2011 às 21:31

Um filme interessante, no entanto embora não conheça assim muito bem a história verdadeira nota-se que há partes que podiam ser melhor explicadas.