Le Havre (2011)

poster

a crítica

Aki atreve-se a colorir de esperança o negrume dos dias com uma poesia humanista da qual só ele tem o copyright e que é todo um programa - admirável mundo novo que, lá por não ser natural, não deixa de ter os pés na Terra.”
Francisco Ferreira, Expresso