Amor (2012)

poster

novo comentário

Para submeter um comentário faça login ou registe-se

comentários RSS

Claudine75 Claudine75 8 de Fevereiro de 2018 às 16:13

Excellent record, continue in this way

voyance rapide gratuite en ligne - http://www.voyance-marie-liesse.com

4.0/5Alexandre Cunha Alexandre Cunha 28 de Janeiro de 2013 às 04:07

Muito forte e verdadeiro. Um belíssimo e impressionante filme, sobre o Amor, até ao último sopro.Faz-nos questionar, reflectir, pelo que ali nos é mostrado, com tamanha verdade, que chega a ser cruel. Fiquei surpreso com a pequena presença da nossa actriz, Rita Blanco, desconhecia que fazia parte do elenco. Os momentos marcantes: a chapada, a almofada (a sua decisão). A busca por manter a dignidade. As opções daquele marido e companheiro enquanto vê o amor da sua vida a ir embora, aos poucos. O verdadeiro companheirismo...Será que na academia vai vencer em algo?O filme, de certo, não. Já o vemos a ir para "Lincoln", embora "A Vida de Pi" seja o meu favorito, gostava que este vencesse pelo menos, na melhor actriz, Emmanuelle Riva, merecia com certeza. Assim como talvez, o prémio de melhor filme estrangeiro. Veremos, o que virá dos previsíveis Óscares.

2.5/5jorgecouto jorgecouto 19 de Janeiro de 2013 às 06:54

Nada de especial, para mim. Compreendo a história triste e que o fim chegará, mas estava à espera de muito mais. Um filme com pouco interesse.

5.0/5Valverde Valverde 17 de Janeiro de 2013 às 02:39

Aquilo que torna Amour uma obra absolutamente inigualável e arrebatadora, é a incrível e improvável vontade subtil de nos fazer rir. Mas rir de quê? Porque é que perante um filme que lida com os últimos momentos adjacentes à degradação de vida, não somos afectados pela tão natural e óbvia depressão e tristeza? Fiquei estupefacto, porque num momento eu ria-me com os toques tão (mas tão) subtis dos dois poderosos actores, como no momento seguinte ficava amargurado com as suas tragédias. Nem por um único segundo, nos sentimos enganados e nem por um único segundo o filme tenta forçar algo que não é. Michael Haneke, conseguiu fazer deste conto da morte, uma das mais belas e grandiosas homenagens à vida, porque é aí, acredito, que se encontra, se demonstra e se actua o maravilhoso elemento que dá título ao filme. Amor. E foi isso que vimos.