Adeus, Lenine! (2003)

poster

a crítica

(...) recorre a desempenhos de qualidade, sustentados pelo necessário naturalismo (...) Não é tão divertido como UNDERGROUND mas aprofunda a abordagem do falhanço da ideologia comunista sem impor o liberalismo como alternativa.”
Maria do Carmo Piçarra, Premiere
ADEUS LENINE!, onde o próprio «cast» rentabiliza um curto-circuito de memória é simultaneamente sintoma e questionamento. A sua maior virtude, contudo, é autonomizar-se de um contexto histórico preciso, tornar-nos cúmplices de um marginalizado no seu combate com a História e reféns de uma história de amor por uma mãe pálida.”
Vasco Câmara, Público