(2005)

poster

a crítica

Enquanto ELEPHANT colocava dúvidas, LAST DAYS é demonstrativo. O filme acaba por ser uma sequência de planos com funcionalidades específicas de caracterizar conceitos e ideias, submetendo os actores a esse cruel desígnio.”
Tiago Pimentel, Premiere
Gus Van Sant limita-se aqui a repetir a fórmula do «filme-errante sobre figura-errante» que já servira de mote às duas outras obras da trilogia, e aproveita a oportunidade para se pôr em bicos de pés e transformar LAST DAYS numa sucessão de citações mais ou menos avulsas e pedantes”
Vasco Baptista Marques, Expresso