(2008)

poster

a crítica

Vislumbram-se em «Pânico em Hollywood» pequenos detalhes que dariam um óptimo filme, como a ideia, transversal ao longo de toda a fita, de que são as miudezas que condicionam toda a gigantesca máquina hollywoodesca. Mas estes detalhes não passam de miragens que se insinuam no ecrã sem qualquer resultado prático e interessante. Barry Levinson, o realizador de sucessos como «Rain Man» e «Sleepers» não faz mais do que andar com as câmaras atrás de Robert de Niro, com planos simples e académicos, enquanto este se arrasta pelas ruas da mais famosa cidade americana, no seu jipe de última geração e a falar ao telemóvel, enquanto resolve os mais caricatos problemas às super-estrelas mimadas, que são os actores e realizadores. Levinson quis satirizar Hollywood e acaba a realizar um filme que é uma sátira de si mesmo.”
Paulo Figueiredo, Cinema PTGate
Apesar de alguns percalços, Levinson leva a água ao seu moinho e há aqui a credibilidade de um olhar interior. Um olhar cujo gozo é de uma subtileza firme e que pede ao espectador alguma cultura geral hollywoodesca.”
Rui Pedro Tendinha, Premiere