(2013)

poster

novo comentário

Para submeter um comentário faça login ou registe-se

comentários RSS

4.0/5Beautifuldreams Beautifuldreams 24 de Outubro de 2014 às 11:26

Gostei do filme, apesar de ter um tema um pouco delicado, pois revela o comportamento do ser humano na sua interação com a tecnologia avançada e de que forma pode afetar o seu relacionamento humano. A não perder, esta é uma história de amor completamente diferente.

Valverde Valverde 16 de Fevereiro de 2014 às 03:50

Assistir ao filme de Spike Jonze, Her, é uma experiencia na total extensão da palavra. É um filme perfeito, no sentido em que se completa com magnificência, exibe-se surrealmente com uma candura adorável, expira-se na totalidade e instala-se confortavelmente na mente de quem o absorve. É quase como um sistema operativo... até que chega o fim e fica na memória. Poderia estar para aqui a falar em como este trabalho do genial Jonze é uma visão calmamente alarmante sobre um disfarçado futuro que nos presenteia hoje, poderia estar a falar que este é um "sci-fi" que mostra como a tecnologia se torna responsável pela alienação do individuo, da separação, da ausência e insipidez que cria entre nós como sociedade, poderia estar a falar que este filme mostra como caminhamos para um futuro assustadoramente egocêntrico... Mas o que realmente me tocou mais que tudo isso é a forma como que, independentemente de tão louca e excêntrica seja a forma que aprendemos a amar, ela torna-nos tão dependentes, tão fortes e fracos ao mesmo tempo, tão envolvidos num véu quente e frio, que, afinal de contas, é tão fidedigna essa forma como qualquer outra mais comum. O ser humano precisa, deveras, de sentir amor, porém, a grande questão do filme, o que faz dele genial é que não podemos senti-lo só quando queremos. Não têm on e off. É isso que ainda torna o ser humano uma máquina mais complexa que um computador. Her é, definitivamente, um clássico instantâneo, um trabalho magnifico á frente e atrás da camera. Uma obra-prima.

3.5/5André Filipe Moreira Santos André Filipe Moreira Santos 14 de Fevereiro de 2014 às 18:37

No estado em que está o cinema argumentos originais são sempre bem-vindos, ainda por cima quando têm qualidade...

Nos tempos que correm, em que uma pessoa prefere ficar em casa a fazer amizades no facebook em vez de sair com os amigos, em que prefere ficar em casa a jogar playstation em vez de ir jogar futebol com os amigos....é bem provável que no futuro se apaixone por um sistema operativo....


3.5*